25 de dez de 2013

Crônicas da Benta: o banheiro

Postagem originalmente publicada em 07/11/2010.
...
Achei a Benta no estacionamento de um supermercado. É bom que se diga que por "estacionamento" me refiro a uma grande área coberta, irregularmente, por britas e terra batida. Ouvi um miadinho mínimo, até pensei que não tinha ouvido direito. Tive que me esforçar para ver aquele ser minúsculo. Era uma mini mini gatinha, desidratada, careca, com os olhos infeccionados e desnutrida: o "rascunho da porta do inferno"! Não tive escolha, tive que levá-la pra casa nem que fosse só para tratar o bichinho, deixá-la ali era sentença de morte debaixo de um carro ou de inanição no forte calor de início de março. No caminho do condomínio já paramos um montão de gente, curiosos, por aquele pontinho cinza agarrado na minha blusa.

Primeira foto

Cheguei em casa e isolei a bebê no banheiro, já tenho a Mel e além de não saber se a Benta tinha alguma pereba de rua, também não podia prever a reação da Mel. Na quarentena da Benta ela: recebeu banho, um nome "MulamBENTA" (que ficou só Benta, depois), tratamento para os olhos, hidratação (não comia ainda), uma pseudo-mamadeira improvisada e uma caminha de caixa de papelão. Era uma pulga peluda, sem pêlos, era quase careca, só tinha um tufinho maior no topo da cabeça.

Primeiros dias
De madrugada miava muito...de fome! Era uma tristeza a bichinha! Mas foi se firmando, ganhando peso, a pele ficando mais hidratada, abriu os olhos que ficaram bons logo logo. Interessante é que ela, quando começou a ficar em pé, eu pegava no colo e ela olhava bem dentro dos olhos da gente. Não sei se ela via muita coisa, mas ficava assim durante um longo tempo.

Olhar hipnotizador
Também começou a negacear cedo, um mini toco de gata e já mirava meus pés como presas. Entrava no meu chinelo (croc), rolava, dava uns saltinhos, era um prenúncio do que seria mais tarde.

Pequenez e carequice...
Esta fase do banheiro foi bem difícil. Isolar as duas gatas, eu não tinha experiência nisso, madrugadas de mamadeira e, principalmente, até ali, eu não tinha intenção de ficar com a Benta. Estava em uma situação bem complexa, desempregada e em total instabilidade de vida. Mais uma gatinha bebê? Hmmm...situaçãozinha complicada e que ia ficar pior na próxima etapa: liberar a Benta do banheiro e apresentá-la à casa e à Mel...

5 comentários:

  1. Que amorrrrr!!! Minha afigatinha!
    Vocês duas merecem tudo de bom junto com a Mel!!!!!
    Tô adorando e esperando o próximo capítulo!!!
    =)

    ResponderExcluir
  2. Adorei essa MulamBENTA ! Que sorte que ela teve ao te encontrar ! Ela lembra a minha Pink...fisica e emocionalmente..."amorosamente carente"...
    Eu escrevi um comentário no post anterior, mas acho que sumiu...
    Beijos
    Laís

    ResponderExcluir
  3. que gatinha fofolete!
    dá vontade de morder (de leve) essa fofa.

    ResponderExcluir
  4. Benta manda correrias loucas pela casa pra vocês. Traduzindo em "Bentês": olá e patadinhas carinhosas!

    ResponderExcluir
  5. Owmmm que fofura!!

    Eu tenho muitas saudades de quando meu Sebastian e seus irmãozinhos estavam na mamadeira!!

    Tive que pagar babá para me ajudar...eram 5 esfomeados!!

    Mas, amo cuidar desses amores!!

    A Benta tirou a sorte grande!!

    beijinhos,

    Lígia e =^.^=

    ResponderExcluir

É muito bom ler outras pessoas participando aqui mas, por favor, eu também quero comentar: retirem a verificação de palavras do blogue de vocês!
Obrigada!