20 de mar de 2016

Libélulas, Outono, Cestaria, Zika...

Eis que chega o outono, estação que eu gosto muito. Aqui, no condomínio tem revoada de libélulas que, vim a saber, são uns dos símbolos desta época (aqui). Bichinho pelo qual sempre tive simpatia. Minha mãe chamava, equivocadamente, de cigarras, por serem finas como um cigarro.

Foto minha: :umas semanas atrás fui passear no Morro da Borússia, em Osório (RS) e me encantei com esta libélula

Lendo, descobro porque, aqui, tem tão pouco mosquito, me permitindo dormir de janelas abertas no verão: as libélulas! São inimigas/competidoras dos mosquitos. Olha aí, um bom modo de combater, sem venenos, a zika/dengue/chikunguya. Os fumacês que fazem, em bairros onde tem focos do mosquito, são prejudiciais não só aos mosquitos, mas aos seus exterminadores...

Foto minha: me encantei com a cor dela, incomum na cidade

Também nesta semana visitei a comadre Beth Zir: papos, passeio com os cachorros (umas graças!), focaccia e vinho, mais papos espirituais viajantes. Bom rever os irmãos de alma.

Foto minha: que cor é esta? Maravilha? Fúcsia?

Semana cheia, fui a uma oficina de cestaria. Muito rápida, a oficineira meio longe, eu com sono, mas acho que consegui aproveitar alguma coisa, alguns pontos, algumas ideias. O trabalho de cestaria é lindo! Ah...era cestaria com tubos de papel de jornal. Já comecei a treinar em casa, mas...fazer artesanato com gatos, gente, é para os fortes!

Foto minha: sou daquelas que se encanta com estas cenas minúsculas no caminho.

Ia fazer uma caminhada em Morro Reuter, mas a estação começou com chuva, então foi transferida para abril.

BEM VINDO, OUTONO, SEU LINDO!


P.s.: nem vou comentar da situação caótica e convulsionante do Brasil. Se nem a gente, que mora aqui, está entendendo para onde se vai...

13 de mar de 2016

Devolvendo um domingo preguiçoso para Goro e Niko

Domingo é o Dia Internacional da Preguiça! Seja nos EUA, seja no Brasil, o negócio é praticar o nadismo ("nothingism"), não é Goro e Niko?

Benta: ahn...posso relaxar?

Benta: por que tanto interesse? É domingo...

Benta: minhas pernocas?

Benta: ah sim, relaxar de pernas cruzadas é O charme!


Mel: tô com sono, posso dormir agora?

12 de mar de 2016

Minha primeira Bertalha

Ok, o título é esquisito, mas é isso mesmo.
Sempre fui daquelas de identificar os matos, as plantas, os chás que nascem selvagens e, se não falha a já pouca memória, escrevi no blog, faz tempo, sobre minha paixão pelo mastruço, especialmente em salada (que minha mãe fazia).
Ultimamente, em minha crise (no bom sentido) da maturidade, voltei a cultivar interesses que sempre amei, mas por conta do turbilhão de ganhar-dinheiro-pra-viver eu deixei de lado.
Um destes interesses são as plantas e plantar. Gosto muito do assunto das PANCs (plantas alimentícias não convencionais), também chamadas de plantas ruderais. Boa parte das plantas que nem reparamos, na beira das estradas, nas calçadas, nas florestas, são comestíveis.
Perto do condomínio vi um pé de bertalha (em inglês: madeira vine, em japonês (transliteração): okawakame ou akazakazura), chinês (transliteração): teng san qi), colhi e vim identificar a espécie com um livro que comprei recentemente sobre o assunto.

Este é o livro: Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil, de Valdely Ferreira Kinupp e Harri Lorenzi

O livro é assim, na parte esquerda a identificação botânica, propriedades e alguns usos e, do lado direito, receitas

Foto minha: estas são as flores, bem cheirosas

O que me chamou a atenção, quando passei, foram as flores e depois que identifiquei a planta, que era comestível.

Foto minha: folhas com pequeno bulbo aéreo

Lembrava de passar no mato, em várias caminhadas que fiz na vida, e ver estas "batatinhas" aéreas. Eu pensei só serviam para a reprodução da planta, mas também são comestíveis, após cozimento.

Foto minha: detalhe das folhas, para identificação

Pelo que pude ver, são Anredera cordifolia (bertalha-coração) e, pelo que diz no livro, são nutracêuticos (possui nutrientes que têm a capacidade comprovada de proporcionar benefícios à saúde). Ó, até aprendi uma palavra nova!

Foto minha: folhas lavadas, aguardando uso (participação especial do rabo da Mel, à direita)

Lavei bem, provei uma folha minúscula crua (médio, levemente amarga, como diz no livro, e crocante), Acho que vou refogar.

Foto minha: pensei fosse a bertalha-de-cabinho-roxo (Anredera krapovickasii), por causa da cor vermelha, mas analisando bem, não é porque a krapovickasii não produz os bulbos aéreos.

Não reparem porque não sou botânica. Vou colhendo, lendo, pesquisando e aprendendo.

Foto minha: detalhe da folha

Depois digo como foi minha experiência.
Quem quiser ler mais, tem um texto interessante em: https://www.ufrgs.br/vies/variedades/gastronomia/pancs-para-alimentar-o-mundo/
Em inglês: https://www.milkwood.net/2014/07/25/madeira-vine-an-ironic-harvest/

...

ATUALIZAÇÃO:
Fiz as folhas refogadas ao alho e óleo (umas gotinhas): aprovado!
A consistência é ótima e, como refoguei em segundos, não perdeu o verde. As folhas tem um pouco de  mucilagem (baba), eu não tenho preconceito, adoro quiabo, então não fez nem "cosquinha". Quem não gosta, basta colocar algumas gotas de limão ou vinagre, mas relembrando, é pouca mucilagem mesmo.
Outro dia, vou tentar cozinhar os bulbos.
Realmente, parece bem nutritiva e medicinal, pelo que vi nas minhas pesquisas.
Mais um texto (português) para quem quiser saber mais, é uma entrevista com o autor do livro que comprei: http://www.docelimao.com.br/site/desintoxicante/cultura-organica/1696-valdeley-knupp-plantas-alimenticias-nao-convencionais.html

10 de mar de 2016

Lembram do Klaus?

Fotinhos de hoje, olha a cara!

Klaus: é selfie pra tia Cris?
Klaus: olha como eu sou atlético, tia Cris!


7 de mar de 2016

Desapegos: porta para gatos

Pessoal:
Continuando minha jornada em busca do minimalismo, hoje dei mais uma volta na casa e descobri objetos e livros que não uso e vou fazer fluir, passando adiante.
Tenho duas portas para gatos que comprei para o apartamento de Santa Maria, mas agora, aqui em Porto Alegre, não preciso, pois coloquei portas de gaita e, convenhamos, minhas portas estão SEMPRE abertas.
Então, vendo as 2 que são brancas e pequenas (serve para cachorro, mas de porte pequeno, MESMO), igual à foto acima.
Uma, nem aberta, por R$50,00 e outra, que eu abri e risquei a caixa, por R$45,00. Frete por conta do comprador.
Interessados, contatem pelo blog (comentários) ou escrevam para meu e-mail geral macripiper@outlook.com. Quem souber o meu e-mail "de casa" (particular), pode escrever para lá (=quem já me conhece e troca mensagens por lá).
Para saber mais sobre a portinhola: http://www.megashops.com.br/layoutnovo/p/entrada-bloqueavel-para-gatos-grandes-e-cachorros-pequenos-377 (a única diferença é que as que estou vendendo são brancas)