23 de jul de 2012

Minhas férias: Botando o Buda na parede

Literalmente!
Na 6f levei a Mel no vet, encomendei remédios dela, cortei cabelo, peguei remédios.
Fim de semana: nas trilhas de Agudo.
Hoje: arrumar coisas que ainda não tinha conseguido na casa (isso vai looonge...). Tarefas do dia: parede. Coloquei mural e não é fácil, gente, as paredes parecem de concreto. Edifício antigo, material resistente! Depois a questão foi: onde colocar o Buda adesivo? Depois de desistir da minha porta (ia ficar super bom e encobrir manchas, mas o adesivo é maior e ia ficar muito cortado), resolvi pela parede do quarto.
Cheguei à conclusão de que o budismo deve muito aos adesivos de parede. Se houvessem adesivos, no tempo de Buda, certamente não haveria a doutrina. O Sidarta ia ter tido um ataque de nervos, puxado o adesivo com pedaços da parede, desistido na metade [tudo isso eu quase fiz] e não teria acreditado que pela paz, gentileza, mansuetude, etc. ia alcançar iluminação nenhuma!
Para colocar um adesivo numa parede pintada com tinta fosca...tem que ser ZEN, meus filhos! Hoje fui testada na paciência de puxar o plástico mais lentamente do que um praticante de Tai chi chuan; ter a plena atenção de grudar todos os detalhes do pescoço, das mãos e da roupa do Buda; seguir o pensamento correto e nem ligar para a Benta tentando "ajudar" e me olhando com uma cara de "que doidice é essa que tá fazendo,  mamis?", olha...grudar adesivo de parede é coisa que merece o budado!!!
O resultado:


E se alguém achar que ficou torto, o seguinte: ele era um iluminado, tá flutuando, tá?!

Um comentário:

É muito bom ler outras pessoas participando aqui mas, por favor, eu também quero comentar: retirem a verificação de palavras do blogue de vocês!
Obrigada!