30 de nov de 2013

Benta à milanesa

Semana passada estou eu, bem bela ou nem tanto, na minha rotina rotineira de escrever a tese e a Dona Benta vem me saudar, passa daqui, passa de lá e eu vejo umas coisas nas patas dela. Gelei!


Pensei: o que será isso? Carrapatos? Em apartamento? Vermes? Mas elas estão vermifugadas! Claro que ela não ficou paradinha para eu ver e tive que seguir a magrela pela casa. Ela meio desconfiada que eu ia atrás dela pra todo canto e tentava pegar nas patas pra ver o que seria aquilo.


Nem conseguia imaginar o que poderia ser. A Benta não aparentava estar com dor, mas eu sei que os gatos disfarçam bastante qualquer fraqueza. Até que ela foi para o tapete da cozinha, eu fingi que estava fazendo alguma coisa e deixei ela relaxar.


Olhem o estado dos "pés" dela! Seriam pega-pega (Desmodium adscendens)? Mas de onde os pega-pega (sei lá o plural...) teriam vindo? Elas só ficam dentro de casa!


Eis que...descubro o mistério. Benta foi se divertir no boxe do banheiro, onde coloco o pote de água (já que ela tem mania de virar ou dar patadas na água) e, logo em seguida, ainda com as patas molhadas foi se aliviar na caixinha de areia . Resultado? Grãos de areia sanitária ficaram grudados, mas BEEEM grudados nas patas.

Essas peludas...sempre inventando moda!

29 de nov de 2013

Atenta às pequenas belezas

Dei aula, almocei e fui na vet pegar a ração da Mel (que a vet encomenda em bloco e sai mais barato já que é meio cara porque é ração medicamentosa). Saio do casarão da clínica  e vejo uma coisa de cores extravagantes voando.


Parei, mesmo carregando dois pacotes de ração e fiquei seguindo o trocinho amarelinho voar. Ora se eu não tive que registrar esta maravilhosa borboleta, olhem que diferente.


Na verdade tá mais com jeito de mariposa do que borboleta, mas seja o que for o desenho dela é belíssimo!!!!


Apesar da fase trabalhosa e de muitas reclamações aqui no blog, eu não perdi a sensibilidade para as pequenas belezas do dia-a-dia. A vida tem de tudo e não dá para mascarar. Tem épocas mais fáceis, mais difíceis, coisas boas, coisas ruins, folga, trabalho etc. Aprendi a ter este olho para a natureza (graças) e isto me alivia, consola e maravilha. Tem uns passarinhos lindos, todos coloridos, que pousam nas árvores em frente a minha janela. Aqui é perto de um matagal e de um morro e tem muitos pássaros, mas a minha câmera não pega tão bem da distância das árvores. Quando fico muito cansada (da cabeça) vou na janela e fico olhando ou eles, com seus cantos, me chamam a atenção.
Natureza: é o que vale a pena!


21 de nov de 2013

Santa Maria - RS: 4 anos

Hoje faz 4 anos que cheguei em Santa Maria. Saí de Porto Alegre quase à noite, depois de trabalhar manhã e tarde em um sábado. Meu sobrinho dirigindo, meu amigão Cláudio (parceiro das trilhas de caminhadas) no banco do carona e eu e a Mel, no banco de trás.

http://2.bp.blogspot.com/-7Y1EBxd-gRA/TVqjBYEEfQI/AAAAAAAAACw/B4_tKJLcUeY/s640/Santa%2BMaria.JPG

Mudança? Um pequeno reboque com minhas roupas, algumas panelas, meus livros (o maior peso) e um colchão emprestado do meu sobrinho e que, na chuva (chuva??? Tempestade isso sim!) noturna insistiu em sair da lona impermeável, na qual estava enrolado, para se balançar ao vento e...molhar. Detalhe importante: desempregada, com a esperança de ser chamada logo no concurso para a universidade.
Aluguei um mês na casa dos fundos da irmã do Cláudio (na foto acima, ficaria bem abaixo do balão), bairro longe, mas muito bem servido de ônibus.
No mês seguinte, me mudei para um apartamento, da sobrinha do Cláudio, um pouquinho mais próximo da cidade, em um conjunto residencial bem simples, mas muito bom, na beira da estrada. Muito campo, sons ao longe e, de vez em quando escutava o toque de alvorecer dos quartéis. Foi ali que achei a Benta, no estacionamento de brita do supermercado que ficava quase em frente, do outro lado da BR (é, eu morava bem na faixa federal).

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/bb/Vista_de_Santa_Maria_(RS).jpg

Demorou quase um ano para que eu fosse chamada no concurso. Neste meio tempo, época de dureza, reservava o dinheiro do aluguel e o resto era bem controladinho. Nunca fui consumista, então não foi a coisa mais horrível do mundo, mas foi bem difícil. O que eu mais temia é que o dinheiro ia, ia e nada entrava. Trabalhar como intérprete de língua de sinais era muito mais fácil em Porto Alegre. Chegou um ponto em que eu estava pensando em fazer qualquer coisa, pegar uma vaga de comércio, sei lá. Quando eu consegui um trabalho interpretando para alguns surdos na universidade, fiquei só um mês, porque finalmente me chamaram para a vaga do concurso. Ufa! Durante este tempo eu só comprei o fogão e a geladeira. Não quis (nem podia muito) comprar móveis já pensando em uma mudança. Na imagem acima, mostra os prédios do centros, emoldurados por um dos belos morros de Santa Maria (algo que vou sentir saudades, adoro morros, montes, montanhas).

http://i17.photobucket.com/albums/b91/latinohunk/15th/sm6.jpg

Tomei posse, comecei a trabalhar e a vida começou a mudar drasticamente. Aluguei um apartamento bem central, enOOOrme, mais enorme ainda porque eu não tinha móveis *hehehe*, adotei a Clara Francesca, finalmente comprei uma cama e um roupeiro e curti muito a maravilhosa vista que eu tinha dos morros. Tudo foi melhorando, eu tinha mais cabeça para trabalhar na tese (quem lembra de tese quando está desempregada?), e comecei a pensar no sonho de todo brasileiro: a casa própria! Como servidora pública, então, tenho direito a algumas facilidades de financiamento, por exemplo, até determinada quantia, não precisar dar entrada (que eu não tinha mesmo) e financiar 100% do imóvel. Meio na brincadeira, na manha, fui visitando imóveis populares e depois de quase 3 meses encontrei um apartamento bem simples, mas que estava muito bem cuidadinho pela proprietária, pequeno, mas bem distribuído e que estava dentro do valor que eu podia financiar. É o lugar aonde eu moro agora. Na foto (acima), vocês visualizam um telhado em U, é a rodoviária, numa das entrada da cidade. Eu moro bem pertinho, dividindo a foto em 4 partes, seria a parte superior direita, perto de um telhado em forma de asa delta (é uma igreja).
Pensava que ia me aposentar aqui...

http://4.bp.blogspot.com/-BhntOZanDrE/T8zzsX0dGqI/AAAAAAAAFqg/iHaHDBUe8Ww/s1600/pelotas040320092.jpg

A vida é uma caixinha de surpresas e no meio deste ano me foi oferecida uma permuta com uma professora de Pelotas (foto acima: morros tem, mas a uns 30 min da cidade). Aceitei! Gostei bastante de morar em Santa Maria, mas as oportunidades profissionais que Pelotas me oferece são muito tentadoras: uma comunidade surda amigável, um grupo de ILS (intérpretes de língua de sinais) super engajado, interessado e com uma qualidade imensa, uma maior proximidade com a capital, um aeroporto com voos a preços pagáveis (Santa Maria também tem aeroporto, mas as tarifas...só grandes empresários e milionários conseguem arcar) e muitas pessoas que eu conheço por lá e que são humildes e queridas. Enfim, aceitei! Daqui a, aproximadamente, 3 meses devo já estar me mudando, tese entregue e aguardando a defesa de doutorado. 

A única coisa permanente é a mudança . Heráclito (500 a.C.)

11 de nov de 2013

1 de nov de 2013

Tentando varrer o quarto

Com uma ajuda muito boa da Benta (só que não).
Deixei até sem fundo musical para ouvirem as unhas dela batendo no chão.