6 de nov. de 2021

A vida é mudança

 Fotos da casa depois de quase toda a reforma pronta e algumas reflexões.

Tentei carregar na ordem que eu queria, mas o blogger está ficando bem nada amigável. Talvez por isso eu tenha escrito cada vez menos, não sei.

Quintal, futura horta agroflorestal, jardim perfumado

Não vai ser exatamente uma mudança planejada ou muito desejada. Foi uma série de eventos que me levou a me mudar justo agora. Com tantas andanças, pra lá e pra cá, já sei que um lugar é apenas um lugar. Moramos em nós mesmos. 

Quintal, parte de trás da casa (ainda sem as grades do gatil)

Não que eu não goste da casa ou do lugar para onde vou. Apenas já adquiri a maturidade para saber que os lugares, em si, não são tão importantes. Levamos o nosso jeito para onde quer que vamos. Todos os lugares são transitórios, assim como a vida.

Uma coisa que eu queria é ter uma vista. Por isso não ergui muro na parte de trás do terreno. Assim, mesmo no quintal, se eu quiser, sento, tomo um mate e olho o resistente Morro Santana.

Desde antes da pandemia, eu já andava nas minhas contínuas metamorfoses. Era época de organizar minha vida, minha mente, minhas coisas materiais também. Descobri muitas coisas a meu respeito neste tempo, passei tantas outras e "metamorfoseei". Talvez a casa seja apenas um detalhe que o Cosmos colocou como parte de meu caminho. Já terei uma terrinha, tão sonhada durante estes anos, sinto como se fosse uma base, um trampolim, para outras coisas que só posso deixar para o terreno da imaginação, por enquanto.

Aqui é a área e vai ser boa parte do gatil. Espero que as gatas curtam! Esta vai ser a visão do escritório (que chique hahaha)

A vida é uma aventura e a gente nunca sabe onde vai parar e como. Meus planos são sempre flexíveis para que eu não me decepcione ou não tenha o "jogo de cintura" suficiente para encarar o que vier. Pelos meus cálculos, daqui a poucos anos conseguirei a aposentadoria. O que, em nosso país, é um feito. Meu espírito está entre a eremita e a andarilha (no sentido de me deslocar, viajar). Nem quero nublar muito a minha mente sobre o que farei, talvez seja as duas. Vou fluindo até lá, suavemente pavimentando minha existência. 

Ao vivo se vê bem a paisagem ao fundo, a cidade de Viamão (RS)

O que vai me prender mais são as gatas. Não digo isto com problema. Na minha visão, são parceiras de vida e enquanto estivermos todas por aqui, eu cuidarei delas porque elas me fazem bem. Se elas se forem antes de mim, aí talvez a andarilha que existe em mim saia por aí, enquanto eu tiver saúde. Não sei, são planos frouxos, estou na fase de exercitar o aceitar e me adaptar com suavidade.

Interessante como uma habitação reflete nossa mente. Habitamos em nosso corpo. Uma casa vazia e cheia de possibilidades, aberta à reforma e aos toques pessoais. Isto leva a refletir. Ando assim, puro pensamento.

Um comentário:

  1. Cris, do início ao fim senti que estás bem reflexiva e temos mesmo fases assim.

    Nem sempre o que planejamos dá certo e é por isso, temos ter mente aberta e estar sempre prontas, abertaa às mudanças que surgirem.

    És nova ainda e tens muito tempo pra sonhar e realizar. Eu já ando mais pra lá do que pra cá...Daí temos que cuidar pra que não borrem nossos sonhos...Mas seguimos!
    Gostei da vista do teu escritório e quando o céu estiver bem lindo, terás o espetáculo da tua janela. Coisa boa! beijos, felicidades! chica

    ResponderExcluir

É muito bom ler outras pessoas participando aqui mas, por favor, eu também quero comentar: retirem a verificação de palavras do blogue de vocês!
Obrigada!