31 de dez de 2011

2012: novos rumos

Peguei a imagem da internet (http://gatospardos.files.wordpress.com/2010/12/pirulito.jpg) e fiz a saudação, baseada no que disse uma amiga pelotense...hehehe


Em 2011 o tema do ano foi ESTABILIDADE e, realmente, tive que me trabalhar para lidar com ela e não sair "ciganeando" de novo por aí. Consegui, a custo e os frutos foram muito bons. Estou comemorando, pela segunda vez, a virada do ano, na mesma moradia, aleluia, e montei meu apartamento, de forma simples, mas é isso que eu quero: viver de forma descomplicada, simples e sem muita coisa.
Para 2012 eu não fiz resoluções, emagrecer já está virando piada! Vou deixar a vida me levar, fluir e aceitar, enfrentar e usufruir o que a vida me trouxer...



O tema de 2012 é calibrar meu rumo. Depois de uma fase, bem importante, da minha vida organizada, agora é a hora de assentar e refletir sobre a direção que vou imprimir na minha trajetória. Tempo de interiorização, ficar mais na minha, analisar, pesar decisões...
Um ótimo 2012 a todos e a todas!

22 de dez de 2011

Natalício, doce Natalício

Velhos e queridos amigos em tradicional Boteco Natalício (POA).

Como é bom chegar na nossa terrinha e ser bem recepcionada, amo vocês, família da alma!


Um super agradecimento pra Angela que sempre me oferece acolhida, sem eu precisar pedir, no Hostel Chez Russo
* fotos roubadas da Angela

21 de dez de 2011

Europa 2011: Londres a Porto Alegre

Londres, Lisboa, longo voo em uma aeronave da TAP que mais parecia uma caixa de fósforo, nunca viajei tão apertada assim, vuco-vuco de Guarulhos (SP), aquele calorão (fiquei pasteurizada) e muda de portão aqui e ali e, finalmente, Salgado Filho (POA). Ufa! No RS, ao menos. Cheguei passada a meia noite, já no dia 22...bah!
Várias lições aprendidas, porque acho que as viagens exteriores nos levam a viagens interiores, uma das mais marcantes:

http://www.friedman.com.br/hotsite/gentileza/images/logo_home.jpg

Sem dúvida, seja no turismo, seja nas relações pessoais a GENTILEZA marca profundamente e nos faz querer manter contato ou voltar novamente. Atitudes como pedir por favor, pedir licença, desculpas, agradecer devem ser cultivadas SEMPRE! Uma das coisas mais bonitas e que tento cultivar é o hábito de manter a gentileza entre os mais íntimos, amigos e familiares pois existe a terrível ideia de que quanto mais chegados menos temos que ser gentis (muitos acham formalidade). Que maravilhoso é um amigo te pedir "por favor, segure isto pra mim, obrigado", em vez de apenas estender a mão como fosses uma empregada.  E na cidade onde mais foram gentis comigo é o lugar que já quero voltar.

Lição da viagem: gentileza, SEMPRE!

20 de dez de 2011

Europa 2011: Londres, não aguento mais

Último dia! Huhuuu
Planejei uma visita ao Hyde Park que eu passei o tempo todo chamando de hidden (escondido) nas filmagens. Freud explica!


Longa pernada até o parque e sérias dúvidas colocadas sobre minhas já internacionais capacidades de orientação.
O Hyde Park é bem grande, mas tem pouco ajardinamento, o lindo sáo as aves que ficam no laguinho com as quais gastei os últimos bytes de filmagem. São bem mansinhas e chegam bem pertinho da gente. Ali deve ser um bairro muçulmano porque quase só tem mulheres de hijab, xador, niqab e até burca!


Volta e parada para almoço em restaurante bem típico, com direito a um fish and chips de novo, mas desta vez mais sequinho. Longa volta ao hotel e paradinha em lojinha pra gastar últimas Libras. De noite o que sobrou eu gastei na Internet. Tentei dormir um pouco, pois no outro dia ia sair às 3h30 para o aeroporto, só consegui umas duas horinhas, banho e empreitada de arrumação de minhas coisas (fazendo a oração pra "fechar o corpo" da mala para não ser extraviada nem roubada).
Noite despedida do parceirão da viagem, com chá inglês legítimo e tudo (pra eu não dormir) e esperar a madruga pra ir embora. Muita TV neste corpo enquanto espero...

19 de dez de 2011

Europa 2011: Londres

Chato tour guiado, como sempre e com os guias que não falavam nem português, nem espanhol  e muito menos portunhol.
Cidade fria, sombria e nublada, não fugiu ao estereótipo. Meu pedaço de alma francesa ficou se contorcendo de saudades da cidade luz.


Big Ben, Westminster, Ponte, passagem meteórica pelos parques e acabamos no palácio de Buckingham para a troca da guarda. E eu me clamando de ver a tal troca da guarda, quer coisa mais formal e ridícula? Ver uns guardinhas empertigados numa bandinha se revezarem com outros?
Saímos direto para o St. James Park que, aliás, é lindíssimo, eu já disse que adoro parques? Cheio de pássaros e...esquilos (a bandinha de fundo musical do esquilo é a da tal troca da guarda).


Passamos pelo Horseguards Palace, fomos até o Trafalgar Square, caça a lembrancinhas e parada para almoçar um prato típico (Jesus e Buda tomem conta!), encarei um Sausage and Mash (salsicha, que detesto, purê de batata, que salvou a refeição e ervilhas inteiras ou amassadas) e uma cerveja pra empurrar. O negócio é se divertir e apesar do humor, inglês, que eu estava, levei na boa até minha bronca com Londres.
Com meus super poderes de orientação, só comparáveis às aves de migração, guiei o Nelmar são e salvo até o hotel hehehe

18 de dez de 2011

Europa 2011: Paris a Londres.

Bem triste por deixar Paris.
Última viagem de bus, muito frio e gelo na estrada.


O que quebrou a rotina foi a passagem na alfândega para embarcar no ferry boat em Calais, rumo a Dover, na Inglaterra. Durante a travessia resolvi experimentar um prato tradicional, fish and chips (peixe empanado com batatas fritas). Arrotei aquilo até de noite! Por isso que eles tomam muito chá, pra "baixar" a gordurama que comem.


Chegada em Londres com um certo engarrafamento e a impressão de que estávamos do lado errado da pista.


O Hotel onde ficamos é o mesmo onde foram filmadas as cenas interiores do filme O Iluminado, o ó! Pelo menos era super central e dava para ir a pé a vários lugares.

Hotel Royal National, sinistro...

17 de dez de 2011

Europa 2011: mais Paris!

Mais um dia em Paris, é a glória!
Hoje o dia foi mais dedicado às comprinhas: perfumes, lembrancinhas, badulaques. Passamos no Sacré Coeur, tipo visitinha obrigatório, e eu achei cheio demais, com camelôs demais e, o pior, camelôs maleducados e invasivos (te pegavam pela mão, quase me estranhei com dois).


Não deixei de pernear, de novo, pelo centro, estava me sentindo em casa e já com dó de ir embora.
Paris é a glória e aquela história de que os parisienses são antipáticos eu não senti nada disso, pelo contrário! Fui tratada como uma rainha, só faltou desenrolarem um tapete vermelho para eu passar. Não sei se falar francês ajuda, mas que me trataram muito bem, ah isso trataram.
Vou embora já querendo voltar e, por mim, trocaria mais dias em Paris do que ir para Londres...
Fica uma imagem, de ontem, no jardim de Luxemburgo: a fonte dos Médicis e o outono em Paris *suspiros*

16 de dez de 2011

Europa 2011: Paris!

Tour guiado (vamos passar rápido por esta parte) e...longa caminhada pelo centro de Paris.



Muito frio e vento, pois está passando a tempestade Joaquim. Mesmo assim passo o dia perneando nos boulevards que já tinha ouvido falar, almoço (sopa de queijo) e tomo um cafezinho no Boulevard St. Germain. Mercado St. Germain (comprei lenços lindos), arredores do Louvre, jardins (Tuilleries e Luxembourg), Île de France, Tour Eiffel de novo, muitas comprinhas...


Foi o dia mais feliz da viagem, era aqui que eu, inicialmente, queria passar TODO o período de férias, mas hei de voltar!

Europa 2011: Bordeaux a Paris (Castelo de Chambord)

É a penúltima puxada de bus. Sem muito mais a dizer a não ser que eu quero ver Paris!
O ponto alto foi a parada em Chambord para visitarmos o castelo, lindooo! E a floresta, no outono, é mágica!


Chegamos à noite em um engarrafamento monstro, mas de longe vejo a Tour Eiffel, um ícone para mim. Talvez seja a língua, talvez a cultura francesa que estudei quando era adolescente, mas algo me atrai fortemente na França. Não endeuso ninguém, só tenho atração mesmo!

14 de dez de 2011

Europa 2011: Madri a Bordeaux

Dia de bus, paisagem seca, muito seca, sequíssima!


O oásis é o belo País Basco [a gente começa a entender certas coisas, vendo a prosperidade e beleza desta região, me lembra um pouco o sentimento gaúcho no RS].


Na França já muda a paisagem e fica bem parecido com nossos campos, zona de muita produção de cereais.
Bordeaux, chuvaréu e janta típica. Praticamente todos ficamos decepcionados. Não sei se é a recessão, mas em todos os lugares que estivemos são um ou dois empregados para darem conta de tudo e eles que se virem. O atendimento, obviamente, fica a desejar. A comida e o "famoso" vinho de Bordeaux também não passaram no teste, mas estou de férias e tudo é festa, levo tudo na esportiva. É aprendizado para futuras viagens que já decido que serão no meu velho estilo: independentes.

13 de dez de 2011

Europa 2011: Madri

Manhã, o tour guiado básico.


Depois me liberei e fui comprar, com urgência, um tênis. Daí passei a tarde caminhando pelo centro, fui no Mercado de San Miguel, comi uma tapa de Paella de verdura *nhom, nhom*, perambulei pela Plaza Mayor, comprei lembrancinhas pra meu povo, fui Plaza del Sol e Jardins do Retiro (lindo).



Cheguei noite fechadéssima no hotel e ainda saí pra comer uma salada com o meu parceiro de viagem. Estas saladas salvam a pátria, a minha, claro!
* Saladas e frutas se conseguem mais na Itália e na Espanha, na França a coisa já começa a ficar difícil para quem prefere este tipo de alimentação.

12 de dez de 2011

Europa 2011: Barcelona a Madri

Com parada em Zaragoza.

Não fiz filminho em Zaragoza, fui bater perna direto

Paisagem super seca.
O que mais chama atenção é a infinidade de aerogeradores, são centenas. Faz o Parque Eólico de Osório parecer brincadeira.


Chegada a Madri e ufa, um lugar cheio de recursos, supermercado, farmácia, loja de badulaques, metrô meio perto e ônibus na porta. Aliás, cuidado, estão assaltando direto no metrô de Madri ("mão leve').

11 de dez de 2011

Europa 2011: Nice a Barcelona

Bus o dia inteiro.
Entramos na Espanha e já me parece a paisagem muito seca.
Fizemos um Barcelona quase noturno, fomos no centro histórico e nas ramblas, na interminável igreja da Sagrada Família, no Montejuic, tomei água de uma fontezinha (Fonte Canaletas) pra voltar (já que vi tão pouco).


Tudo lotado com a função das feiras natalinas que foi o que mais vi em toda a viagem. E tudo isso correndo.
Desvantagens de turismo convencional.

10 de dez de 2011

Europa 2011: Roma a Nice, os deslocamentos de bus

Hoje é o primeiro longo deslocamento de bus, vamos assim até Londres, com paradas pra pernoitar (Nice, Barcelona e Bordeaux). A vantagem é que conhecemos a paisagem do caminho, os ônibus são confortáveis, as estradas são um carpete e dá pra conhecer melhor os companheiros de viagem, pois nem sempre são os mesmos, já que são vários circuitos que se entrecruzam e enquanto uma turma se junta ao grupo em determinada cidade, outra vai embora.


Desvantagem que não precisava ser: conhecemos muito pouco as cidades que citei acima, foram mais paradouros com um passeio opcional ou incluído e, na maioria delas, chegamos de noite (anoitece por volta das 16h30 nesta época do ano).
Então é o que muito ouvi na viagem: ônus e bônus.
Passamos por Pisa e foi de bom tamanho, pois só tem o conjunto da Torre de Pisa mesmo.


Depois de Pisa começa uma paisagem cheia de túneis e bem interessante.


Pernoitamos em Nice. Alguns foram para o passeio opcional em Mônaco, eu não fui, prefiro sair de dia. Testei o meu francês na recepção e colou!

9 de dez de 2011

Europa 2011: Roma, o primeiro tour guiado

Depois do alívio da bagagem estar em mãos, sigo para o primeiro tour guiado que vem incluído no pacote.
Nunca fui turista de pacotes, não gosto, me sinto presa num brete e conhecendo as coisas superficialmente. Desta vez fui obrigada a pegar esta viagem, pois uma aventura independente exige planejamento e planejamento exige tempo que me foi escasso este ano. Para não perder as férias, entrei numa agência de turismo e vi os roteiros que tivessem Paris, que eu queria realmente conhecer, e fossem em conta. Achei este e que, de lambuja, tinha muitos dias livres. Os tours guiados eram de meio turno (na verdade, no máximo 3 horas) e depois, quem quisesse, fazia passeios opcionais, pagos. Claro, eu não fiz, nem queria, nenhum. Saía a caminhar.
Foi o que eu esperava, superficial e chato, além da guia ser uma cavala. Na frente do Coliseu vi as pessoas tirando fotos e, de certo, em casa, iam mostrar que estiveram lá, mas eu que, no dia anterior tinha visitado por dentro e todos os arredores achei aquilo tão pobre...bem, mas neste momento mesmo, dos outros tirando fotos é que encontrei meu parceiro de viagem, o Nelmar.
Depois do tour guiado desertamos e fomos à Fontana di Trevi (divina) e, depois, Piazza Espagna, onde almoçamos embaixo da casa onde vivei o Garibaldi e a Anita e fomos fazer comprinhas que ninguém é de ferro, né?


* Fiz filmagens do passeio guiado, do ônibus, mas ficaram tão ruins que apaguei.

8 de dez de 2011

Europa 2011: Roma, Coliseu e arredores

Amanhece e vou, arrastando so pés, para o café. DI-VI-NO! Foi o melhor café da manhã de toda a viagem. Farto, gostoso, bem feito e com frutas naturais.
Pergunto na recepção como ir ao centro e o recepcionista, um belo espécime de homem italiano, me deu as diretivas e um mapinha. Roma tem só duas linhas de metrô. Tentaram fazer mais, mas a cidade é uma área arqueológica e descobriram ruínas nas escavações para o metrô. Ficaram só com 2 linhas mesmo e uma delas, afortunadamente, passava bem ao lado do hotel. Resolvi ir ao terminal e fazer o resto do caminho a pé.
A minha era a linha azul que tem estações nas principais atrações.
Desci no terminal e fui caminhando, adoro conhecer os lugares assim, me misturando ao povo, vendo como as pessoas se vestem, interagem, vendo os prédios, sentindo os cheiros, parando quando me dá vontade.


O objetivo era chegar no Coliseu e eu já tinha, mentalmente, feito o percurso. Tenho que avisar que tenho um senso de direção estremamente afiado, sei que é um pouco raro nas mulheres, mas deve ser algum gene recessivo herdado do meu pai, marítimo.
Compro um mapa e meu primeiro mimo, um calendário gigante dos gatos de Roma (I Gatti di Roma).
Passo por uma rua comercial e logo dou de cara com a Coluna de Trajano, assim, sem aviso, na lata!
Sabe quando a gente sai de uma ruazinha, de uma escadaria e, de repente, depara com um monumento histórico que se vê só nos livros?


 Pois é...e da Coluna de Trajano, seguida do Mercado de Trajano, da Piazza Venezia, do Palácio Vittorio Emanuele, etc. É uma atração seguida da outra. Eu tinha chegado no point de Roma. É tudo perto e dá pra fazer a pé, pelo menos para uma caminhante inveterada como eu.
Passei o dia caminhando por ali e comprei o ingresso que dava acesso ao Coliseu, Il Palatino e Foro Romano.


Depois ainda fui a um sonho que eu tinha, visitar o santuário de gatos da Torre Argentina. Me emocionei e comprei um brinquinho do bazar para ajudar os gatinhos.


Fim do dia, super cansada, mas já amando Roma, voltei pro hotel.
Passei na recepção e perguntei da mala. O recepcionista disse que já estava no meu quarto. Custei a acreditar. Subi e...nada de mala. Voltei pensando ou que eu não tinha entendido ou que o recepcionista não tinha me entendido. Solução do enigma: tinha outra brasileira no hotel, com o mesmo sobrenome que o meu, e a mala foi parar no quarto dela. Enfim, banho e pijaminha limpo! Até me animei a lavar a roupa que eu estava usando já há três dias.
* Dica: já tinham me falado, mas  agente não leva a sério, de sempre levar uma muda de roupa completa na bagagem de mão.

7 de dez de 2011

Europa 2011: Roma, a mala

Depois de, milagrosamentem cochilar no voo (não consigo dormir em carros, ônibus e aviões), eis que Roma se aproxima. Olho na janelinha e é um dia lindo de sol com tom bem amarelado, bem meu imaginário de sol mediterrâneo. Vejo a paisagem bem verdinha, apesar de ser quase inverno por aqui, e muito palitinhos brancos que, descobrirei, são aerogeradores. Casinhas estilo nossa serra gaúcha e estou em uma das minhas mais grossas raízes: Itália.
Aquela coisa, tudo novo, me orientando, vou para a esteira, olho se é ali mesmo a entrega da bagagem de meu voo, tudo ok. Primeira remessa e os colegas passageiros pegam suas malas. Segunda remessa de malas caídas por um tubo (eu, apavorada de como as malas caem "do céu"). Terceira remessa, uma que outra mala...Sentiram o pânico se aproximando? Pois é, NADA da minha mala!!! Num arroubo de coragem saio do desembarque pra avisar a quem estiver me esperando para me levar ao hotel que tive problemas. São dois senhores. Não falam inglês. Eu não falo italiano, só frases feitas, até entendo bem se falarem bEEEm devagar. Sei lá como explico scusi, signore, he perduto mia bagaggio [foi o que saiu na hora] e entendi que era pra eu reclamar na polizia. Lá fui eu passar nos detectores e encontrei uma policial que falava inglês e me orientou a ir no guichê da companhia aérea (TAP) dar queixa formal. No balcão de perdidos e achados da TAP mais uma mistura de paciência, paniquinho, italiano, inglês, espanhol e um pretenso português do atendente (ele achava que falava). Queixa registrada.
Só me restava ir para o hotel.
Lá fui eu com os italianos falando furiosamente...em italiano, num carro de cair o queixo (nem esperava) e cheguei num hotel bem pra lá de bom (tb não esperava). Entro eu com minha mochilinha, toda desgandelhada de uma longa viagem no meio dos executivos engravatados (que nem deram bola) e vou para meu quartinho.
Confesso que esta da mala me abateu. Eu tinha planejado chegar, tomar um banho, dormir umas 2h e ir passear. Consegui tomar o banho, dormir muito e chorar.
Tudo que eu queria era ir embora dali. Pensava "Europa não é pra mim, olha que rolo, e agora? Vou ter que comprar tudo: mala, roupas. Vou gastar o $ das lembrancinhas e badulaques nisso". Desopilei bastante e ainda na TV5 Francesa passa um clipe sobre...o Rio Grande do Sul! Fiquei que é um sapo de olhos inchados de tanto chorar.
Passado o momento deprê que, aliás, me dou todo o direito e é necessário, dei a volta por cima e pensei "já estou aqui, agora é relaxar e aproveitar". Que reparem se estou com a mesma roupa, dou um jeito!
Fim da noite e nada de mala...

6 de dez de 2011

Europa 2011: a ida

[do meu diário de viagem, em papel, transcrito para meu blogue e algumas anotações colocadas agora]

Realizando grande a acalentado sonho. Conhecer a Europa. Ano passado passei por Lisboa, mas foi a trabalho, é bem diferente.
Resumindo: saio de POA hoje, SP (Guarulhos) a Lisboa durante a noite até amanhã e chego em Roma (Fiumicino) lá pelo meio dia do dia 7.
Como toda viagem longa de avião um teste a nossa paciência e capacidade de se manter imóvel em um espaço muito apertado.
Tive sorte e peguei todos os voos com a poltrona do lado vazia.
Pra passar o tempo assisti RIO e X-men, first class. Sofro muito em viagens longas, preciso me mexer e a forçada imobilidade me destrói muito.
Bem, expectativa para a chegada, mas eu nem imaginava o que viria logo de início...
http://www.comofazergratis.com.br/wp-content/uploads/2011/11/roupas_para_viagem.jpg

4 de dez de 2011

Tudo acontece bem na "boca" da viagem

Assim como uma dor nas costas (principalmente na região do cóccix)!
Tenho que arrumar a mala e ainda dar uma ajeitadinha na casa. Tenho esta mania, mesmo em viagens curtas, de deixar a casa arrumadinha. Nem sei se é mania ou praticidade, pois chegar de viagem, cansada, geralmente, e encontrar uma casa limpa e fácil de se acomodar é uma maravilha. O problema é que se começa a viagem cansada também.
Falta pouco. Nem absorvi, ainda, a ideia de que estou quites com meus compromissos de trabalho. Zeradinha! Isto são quilos de pedras tiradas das costas.
Bem, anunciando: vou tentar fazer um diário de viagem. Não sei se vou conseguir acesso à internet todos os dias, pois não vou levar laptop. Não quero me preocupar com uma coisa de valor por aí e acho que vou chegar cansada das caminhadas, mas vou tentar atualizar as postagens assim que der. As fotos eu coloco depois.
Agora é terminar o trabalho por aqui.
Louca para que esteja tudo pronto!!!


3 de dez de 2011

2 de dez de 2011

Eu queria ter um jardim...

Não precisava ser mega espetaculoso como este http://www.mundogump.com.br/o-jardim-mais-bonito-do-mundo/. Podia ser simples e cheio de cheiros e cores como meu jardim da casa de Porto Alegre. Uma casa...este é o problema...um dia, quem sabe...

1 de dez de 2011

"Bota-fora" em Santa Maria

Com amigos-colegas da UFSM, uma de minhas comunidades por aqui, no Paiol Lanches (não achei site na Internet, aliás, vários bares e restaurantes de Santa Maria menosprezam o poder da rede mundial de computadores, nisto estamos pra lá de atrasados).

Só faltou a Mônica e a Eliana
 Começo de férias, fim de trabalho...huhuuu! Rumo a novas aventuras!
Cerveja, tira-gostos e muita risada!

* foto roubada da Raisa