27 de abr de 2015

A pedidos: como construir a mansão dos gatos (by Cláudio Faverzani)

Seguem, com palavras do próprio artista, instruções para a construção da mansão:

Só posso dizer que fazer uma casinha destas, é mais fácil do que muita gente imagina. Bom pra desopilar, largar um pouco os eletrônicos (computador, celular...) e desenvolver o lado criativo. Qualquer um que aprendeu a recortar e colar quando pequeno, consegue fazer. 
Vamos às dicas:
- Consegui umas caixas bonitas, de vinho, no supermercado. Apesar de achar um pouco pequenas para gatos. O importante é uma caixa de boa qualidade. Quanto mais grosso o papelão, melhor.
1º passo: - recortar as aberturas (portas e janelas). Material: estilete, régua, fita adesiva. Primeiro fazer um gabarito da janela com uma cartolina. Pra facilitar pode pegar um retângulo ou quadrado, pronto de alguma revista, colar na cartolina, desenhar a cruzeta da janela e depois recortar. Isso vai servir pra desenhar todas as janelas. Depois é só posicionar o gabarito no local, fixar com fita adesiva e riscar as janelas, marcando bem os cantos. Retira-se o gabarito. Com uma régua, passar de leve, várias vezes o estilete, nos locais riscados, até vazar o papelão. As portas são mais fáceis de fazer.
2º passo: - base para o telhado. Marcar a metade da aba menor da caixa. Dobrar neste ponto de modo que forme um triângulo. Utilizei uma tabuinha, prensando bem a aba sobre uma superfície lisa e fazendo a dobra perfeitamente reta. Depois colar a aba maior sobre menor dobrada (veja a foto). Pode utilizar cola branca. Aí demora mais pra secar. Podendo prender as partes coladas, com prendedor de roupa ou colocar essa parte colada sobre uma superfície lisa e colocar pesos por dentro, até secar bem. Fazer isso com uma metade de cada vez. Com cola à quente (silicone) seca mais rápido.
3º passo: - unir as caixas. No caso da torre. (Caixa inferior) Primeiro fechar a tampa (abas) e colar. Esperar secar. Depois colar a outra caixa sobre a inferior, formando uma coluna ou torre. Colocar pesos dentro da parte superior e esperar secar bem. No caso da caixa lateral, deve-se procurar uma forma de uni-las de maneira que fiquem bem firmes e não corra o risco de se desprenderem.
4º passo: - fixar o telhado. Utilizar chapas de papelão de boa espessura. Isso diminui os danos causados pelos gatos. Para fixar, passar cola na base do telhado, posicionar as chapas no local, unir a parte superior das chapas com fita adesiva. Colocar pesos sobre as chapas. Pode-se colar uma metade de cada vez. Para isso, colar uma das metades, inclinando a casa, de maneira que a chapa fique na posição horizontal e coloca-se pesos em cima até secar. Fazendo o mesmo com a outra metade. Pode-se colar uma tira de cartolina em cima do telhado como acabamento.  
- Não deixar pedaços soltos do papelão, de modo que os gatos possam dobrar ou rasgar. Deixar tudo firme e colado. 
- Na parte interna (piso), colei chapas inteiras e mais justas possível, de maneira a não deixar frestas, que possam acumular pêlos. 

21 de abr de 2015

A mansão felina

Hoje recebi um inesperado e maravilhoso presente, quer dizer, as peludas receberam, mas quando a gente é "mãe" de gatos, um presente para as crias é um presente para nós também: uma super mansão felina!

Benta, inspecionando as instalações
 Quando meu grande amigo, Cláudio, me disse que tinha um presente de Páscoa, atrasado, para mim, pensei "ah, não, chocolate...". Porque de chocólatra eu virei uma pessoa praticamente indiferente ao chocolate, pasmem, o que as mudanças hormonais não fazem! Mas, como sou educada e prezo muito meu amigo, nem falei nada.

Benta nem esperou colocar o chalé felino no chão, já tomou posse e foi explorar

Depois de alguns desencontros, eis que meu amigo tira do carro algo embrulhado em plástico bolha. Pensei: não pode ser algo tão grande em chocolate assim! Era leve e tinha o formato de uma casa...
 
Chegando no apartamento desembrulhei e *tarannnn* (olhem o detalhe do telhado de gato)

Uma das melhores surpresas (realmente surpresa) que já recebi. Ah...e o Cláudio avisa: não aceita encomendas, é uma atividade puramente de lazer, sem prazo para acabar, para desopilar mesmo e para poucas privilegiadas hohoho

O efeito do chão até parece que foi colocado azulejo ou ladrilho! Um primor!

Além de tudo, é sustentável, reciclável, ecofriendly e mais um monte de nomes que mostram que não é preciso gastar recursos naturais e muito dinheiro para se conseguir coisas legais para nossos gatos.

Vista de uma lateral

Foi feita com caixas de bebidas, principalmente, daquelas que, aqui, a gente usa para levar as compras do supermercado para casa (quando se está de carro).

Clara Francesca, também vistoriando as condições arquitetônicas da mansão

Outra coisa legal, foi o "andar superior" que não tem ligação com o andar inferior. Assim, se uma das gatas quiser ficar mais em paz, pode se refugiar ali.

Todas as gatas curtiram muito o novo lugar
Para mim isto é ARTE! Se existe uma coisa na vida que eu não posso reclamar é de meus amigos, isto eu escolho bem, são ótimos, são a melhor safra, gente do bem e de fé.
GRATIDÃO!

19 de abr de 2015

Limoncello: postagem no estilo "meu querido diário"

No Brasil temos um ditado que se a vida te der um limão, faça uma limonada. Algumas versões vão adiante e dizem para se fazer uma caipirinha (drinque com limão, cachaça e açúcar).
Eu já acho que a gente tem que fazer um Limoncello direto! Adoro!  Coisa de italiano: limão galego, açúcar e...acho que álcool de cereais.


Apesar de que, de madrugada, tive dor, a partir da manhã não tive mais dores. Huhuu! A felicidade é não sentir dor! Tosse fraca, agora de noite, mas nada assim...terrível.


De manhã me dediquei a um quebra-cabeças que já estava guardado há uns 2 anos. É tipo um vitral de Francisco de Assis que pretendo colocar uma moldura depois. Difícil, mas viciante. Por mim, teria ficado fazendo só isso, o dia inteiro. Com uns pisoteados da Benta, mas não perdi nenhuma peça...acho. Vai demorar um pouco a ficar pronto.


O dia estava tão lindo que não teve como eu dar uma caminhadinha. Bem lenta e curta, pelas redondezas, mas já desopilei.


Estou em fase de até querer fazer muitas coisas, mas meu ritmo é lento. Faço, mas lentamente. Bem, assim é, o negócio é aceitar.
Boa semana a todos!

18 de abr de 2015

Sábado...ultimamente

Passei a semana me sentindo meio estranha. De dia até vai, mas de noite começo a tossir muito, dor atrás da cabeça, enfim...urucubaca braba! Cancelei minha viagem de feriadão por estar assim...meio imprestável. Acontece, e vi, em postagens anteriores, que nesta mesma época, ano passado, estava doente também. É bem do meio para fim de abril que pego alguma coisa, acho que porque é mudança de estação e, consequentemente de temperaturas.
Então, meu sábado está em ritmo de clausura (tenho saído muito pouco), fazendo um que outro trabalho dentro de casa e torcendo para que a noite seja bondosa comigo.
Ando assim...


O vídeo está mais tremido do que as MINHAS filmagens, mas o fofo mais cuti-cuti sonolento, compensa.

13 de abr de 2015

Língua de gato artificial

Sempre pensei que, realmente, as escovações e carinhos eram uma espécie de lambida hehehe

PURRR...
Adoro
A língua artificial da mamãe faz uma ótima limpeza!

12 de abr de 2015

Domingo, cama e semana cheia

Ontem eu estava meio estranha. Na 6f estava muito calor, ar-condicionado de ônibus e, para meu azar, peguei um vizinho de banco, no bus, que vinha tossindo (sem muitas precauções de colocar a mão na frente da boca).
Resultado? Adoeci. Ontem senti uma dorzinha de garganta e espirros começaram. De noite, pronto, resfriei mesmo. Como eu suspeitava que ia ficar meio assim, ontem comprei sucos e hoje passei a maior parte do dia deitada e tomando muito líquido. Já me sinto bem melhor, mas o que eu queria mostrar são as parceiras. É só eu ir para o quarto que a tropa felina vem e se acomoda. A mais dorminhoca, a Clara Francesca, adora, porque é uma maneira de ficar mais perto de mim (normalmente, ela fica dormindo na cama sozinha...todo o dia).

A dorminhoca
Clara Francesca: esta, para dormir, é a campeã!
Então, é descansar o fim do domingo, que a semana vai ser bem cheia.
Boa semana!

11 de abr de 2015

Rotina semanal com viagens à Pelotas

Com este arranjo de viajar semanalmente à Pelotas, meus sábados que eram cheios de energia e limpeza (que eu batizei de "Dia de Maria" = dia de faxina), viraram sábados de letargia.
Para chegar logo em casa, dou a aula noturna, na sexta-feira, e venho no último ônibus para Porto Alegre. Chego de madrugada, com sorte 3h, e acabo indo dormir lá pelas 4h (ontem, 5h), depois de tomar banho, desempacotar as coisas, eventualmente atender as peludas (gatas) etc.
Um vídeo da Benta ilustra muito bem como eu fico, atualmente, aos sábados...


7 de abr de 2015

EXTRA! EXTRA! EXTRA! Klaus resgatado!

Bem, assim...me acalmei quanto ao Klaus (ver postagens aqui e aqui) e deixei o fluxo da vida guiar meus passos. Até pensei que ele tinha ido embora ou sido expulso do condomínio, quando o vi, de relance, ainda vagueando por aqui. Em vez de me levar somente pelas emoções, usei meu lado pragmático (como alguns amigos gostam de dizer de mim) ou lógico, à la Sr. Spock e pensei: "ok, não posso nem ficar com ele (uma pena), nem abrigá-lo porque já tenho 3 gatas no meu apto, então o que posso fazer?" 
Posso alimentá-lo clandestinamente, pois não parece ser algo muito bem visto pelas "autoridades" do condomínio e posso divulgá-lo para adoção. Foi o que decidi fazer.

Mas, quem resiste a um ser super dócil, carente e abandonado? Eu não resisto!

Apesar disto, estava na cabeça de resgatá-lo, encasquetei. Hoje, resolvi ver como era caminhar pelo condomínio, porque vi algumas pessoas fazendo isso, preciso me exercitar, sabe como é. Fui dar umas voltas ao redor dos prédios e já ver se o Klaus ainda estava aqui. Primeira volta, nada. Segunda volta, nada. Pensei: "não era para ser". Terceira volta e vejo o cachorro deitado entre duas motos. Nem fiz a quarta volta. Entrei no apartamento e dê-lhe ligar para 1 lugar de hospedagem e veterinário que pudesse fazer os primeiros exames e procedimentos e 2 como levar o Klaus até lá, porque não tenho carro (táxis nem sempre aceitam...). Encontrei um cartão com um telefone de um pet-táxi...e estava perto! O negócio era "caçar" o Klaus e ligar para o transporte.

Depois de ficar um pouco desconfiado, se rendeu ao carinho. É muito dócil e carente

Daí fui eu com um pote de ração e a tal alça de bolsa, à guisa de coleira, ver se achava o cão. Achei. Vou resumir: ele estava BEM desconfiado, não quis muito a ração que eu dei (preferiu comer umas bolachas esmagadas que achou no chão) e depois de eu, muito calmamente, persegui-lo por vários metros, consegui colocar a coleira, mas foi difícil! Ele desviava a cabeça (suave, mas ágil). Chamei o transporte e, enquanto isso, o guiei até uns bancos perto da portaria (devo ser O assunto no condomínio hoje) e fui fazendo carinho. Gente, depois de passar a mão na cabeça dele e parar, ele PEDE mais encostando o focinho! Pode coisa mais doce? Não merece um tapa na cara do Karma quem abandona um ser destes?

Klaus, na pet shop, antes do banho, o cachorro cor de creme *cof*

Ele é manso, só está assustado. Também resumindo (que a manhã foi cheia de aventuras): a mulher do cara do transporte tem uma pet shop, faz lar temporário (LT) e é aqui perto (vou visitá-lo e passear com ele).  Hein? Hein? Maravilha, né? Fiquei um bom tempo, até terminar o banho, assinaturas de papéis com a dona da pet shop e eis que sai um outro Klaus...BRANCO! E perfumado, cheio de charme. Comeu, fiz uns carinhos, acalmando a criatura e ele começou a ficar com sono (baixando o estresse). Me despedi e amanhã começo as lições de como passear, já aproveitando e fazendo minhas caminhadas para me colocar em forma também.


Klaus, o cachorro BRANCO!

Agora é fazer a preparação para adoção, consulta veterinária básica, vermífugos, vacinas e castração. Os dias que eu estiver em Porto Alegre, vou passear com ele. Verdade, verdade, se eu tivesse uma casa, um terreno, eu ficaria com ele, mas, é o que dá para fazer agora.

Klaus, olhando para seu novo futuro...ESPERANÇA!

Antes que alguém diga, ai, como eu sou boa, aviso: não sou! Penso algumas coisas da vida, dentre elas: 1 os bens têm que circular, 2 exercitar a empatia é parte do ser humano (quem não o faz ainda não chegou a humano, mesmo que habite um corpo que parece humano) e 3 tudo tem que fluir, já fui negligente e, acho, até malvada para alguns animais e este é um jeito de zerar as contas.
Publiquei a história, de repente, para mostrar a minha alegria (sim, fiquei quase saltitando de feliz) e para, quem sabe, incentivar ações neste sentido.
Então, todo mundo pode ajudar fazendo uma corrente de pensamentos positivos para que o Klaus encontre um lar amoroso e que o adote como membro da família. Quem quiser divulgar para adoção, me diz, que eu mando instruções.
Grata!
...
ATUALIZAÇÃO
1. Ontem passei com ele. Não tenho o que dizer de tão amoroso e comportado ele é.
2. Divulguei via e-mail, pois tinha cancelado meu Facebook. Entrei de novo, no Facebook, só para fazer a divulgação, pesquisei e ninguém, de Porto Alegre, tinha postado (sabendo que eu tinha saído da tal rede social). Ai, gente, que desanimador...pessoal da cidade nem se deu ao trabalho de compartilhar a postagem com as fotos do Klaus. Estas coisas só fazem com que a minha convicção de sair e nunca mais voltar se consolide.

Projetos da casa: médio e longo prazo

Pois é, já assentada, o básico funcionando e já penso nos melhoramentos (e algumas necessidades) do apartamento.
Como já disse anteriormente, mas retomando, a ex-moradora passou o prazo regulamentar para deixar o apartamento e a reforma mais decente que eu queria fazer não rolou porque eu estava doida, mas DOIDA mesmo para sair de Pelotas. O que consegui fazer foi mandar pintar e colocar o piso. O piso ficou muito bom, muito bom mesmo! É vinílico, rústico, nem muito claro (aparece qualquer cabelinho), nem muito escuro (o ambiente fica menos iluminado e meio pesado), não faz aquele barulhão do piso laminado e é fácil de limpar. Já a pintuuuura...as paredes ficaram aceitáveis (embora meu sonho era ter lixado todas porque elas têm aquele padrão de biquinho), mas as portas...horror dos horrores:





Achei a cor linda e na primeira vez que vi as portas até pensei que estava tudo bem. Bastou menos de uma semana para começarem a descascar. Algumas pessoas me disseram para chamar o "pintor", mas logo percebi que de pintor ele não tinha NADA! Eu que sou leiga no assunto, sei que a gente tem que lixar a madeira antes de pintar e por baixo está lisinho, lisinho.
Dos vários projetos da casa (lista no fim da postagem), a maioria vou mandar fazer, apesar de bem escaldada com os serviços ruins, porcos e sem nenhuma qualificação profissional que andam por aí, logo saia a minha transferência do trabalho para Porto Alegre. Um dos únicos que estou pensando em fazer eu mesma são as famigeradas portas.
Aos poucos estou descascando a tinta que sai fácil, parece pele quando a gente toma muito sol, vou lixar ("profi") e tenho que pesquisar o que vou fazer (tinta "lousa" tipo quadro escolar, tinta tipo quadro branco ou outra qualquer). Problemas: 1 tempo que levar para pintar, 2 se forem as tintas que eu quero só tem com solvente que tem mau cheiro, 3 gatas pisando, etc.
Uma das saídas era não fazer nada disso, remover as portas e colocar aquelas sanfonadas:

https://s3-sa-east-1.amazonaws.com/leroy-production//uploads/img/products/porta_sanfonada_c__fechadura_pvc_210_x_84_cm_86100126_0001_600x600.jpg
Ia economizar espaço, geralmente são portas baratas, fácil instalação, raramente fecho portas aqui em casa e seria MUITO menos trabalho.


LISTA DOS PROJETOS DO APARTAMENTO
(os 3 primeiros em ordem de importância, por causa do inverno chegando, e os outros sem pressa)
  1. fechadura da porta da frente: velha é apelido;
  2. divisória área e cozinha: muito vento;
  3. persianas: também antigas e as cordinhas já querendo se arrebentar;
  4. roupeiro embutido planejado: tem uma entrada na parede que dá para aproveitar mais;
  5. pintar rodapés: eu não costumo colocar rodapés, então vou fazer um acabamento melhor na fronteira entre o piso e as paredes;
  6. tirar tanque velho da área e ali fazer um espaço de lidar com as roupas: área de apartamento, sabem como é, minúscula;
  7. colocar um tanque novo, pequeno, ou tanque com gabinete no banheiro. Não entendo porque TODOS os banheiros não são na "zona das águas" (pias, áreas, tanques), para mim teria que ficar tudo pertinho o que facilitaria muito a lide. Como não posso transferir meu mini-banheiro de lugar, vou transferir o tanque;
  8. planejar o banheiro, está caótico. Por ser pequeno, não consegui, ainda, definir, o que e como fica ali;
  9. limpar e revisar instalação dos ventiladores de teto e desinstalar e vender o ar-condicionado split (não uso);
  10. instalar a área de playground das gatas, vou usar o corredor para colocar prateleiras e uma passarela aérea para elas e
  11. finalmente decorar com vasos de parede, mandar enquadrar umas gravuras e colocá-las nas paredes.
UFA! É isso o que me lembro agora...
...

Para encerrar, uma foto da Benta, pobre gata sem cama, sem um lugar decente para tirar uma soneca, sendo obrigada a se abrigar em um pano velho e sujo de chão.
Ao fundo, o formato psicodélico das portas que estou descascando em surtos de revolta com aquele que se diz "pintor" (muitas aspas aqui)


6 de abr de 2015

Ser feliz

Decisão de ser Feliz

Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco

Empenha-te ao máximo para tornar tua vida agradável a ti mesmo e aos outros.

É importante que, tudo quanto faças, apresente um significado positivo, motivador de novos estímulos para o prosseguimento da tua existência, que se deve caracterizar por experiências enriquecedoras.

Se as pessoas que te cercam não concordarem com a tua opção de ser feliz, não te desconsoles, e, sem qualquer agressão, continua gerando bem-estar.

És a única pessoa com quem contarás para estar contigo, desde o berço até o túmulo, e depois dele, como resultado dos teus atos...

Gerar simpatia, produzindo estímulos otimistas para ti mesmo, representa um crescimento emocional significativo, a maturidade psicológica em pleno desabrochar.

É relevante que o teu comportamento produza um intercambio agradável, caricioso, com as demais pessoas.

No entanto, se não te comprazer, transformar-se-á em tormento, induzindo-te a atitudes perturbadoras, desonestas.

Tuas mudanças e atitudes afetam aqueles com os quais convives.

É natural, portanto, que te plenificando, brindem-te com mais recursos para a geração de alegrias em volta de ti.

Todos os grandes líderes da Humanidade lutaram até lograr sua meta, alcançar o que haviam elegido como felicidade, como fundamental para a contínua busca.

Buda renunciou a todo conforto principesco para atingir a iluminação.

Maomé sofreu perseguições e permaneceu indômito até lograr sua meta.

Gandhi foi preso inúmeras vezes, sem reagir, fiel aos planos da não-violência e da liberdade para o seu povo.

E Jesus preferiu a cruz infamante à mudança de comportamento fixado no amor.

Todos quantos anelam pela integração com a Consciência Cósmica geram simpatia e animosidade no mundo, estando sempre a braços com os sentimentos desencontrados dos outros, porém fiéis a si mesmos, com quem sempre contam, tanto quanto, naturalmente, com Deus.

Quando se elege uma existência enriquecida de paz e bem-estar, não se está eximindo ao sofrimento, às lutas, às dificuldades que aparecem.

Pelo contrário, eles sempre surgem como desafios perturbadores, que a pessoa deve enfrentar, sem perder o rumo nem alterar o prazer que experimenta na preservação do comportamento elegido.

Transforma, dessa maneira, os estímulos afligentes em contribuição positiva, não se lamentando, não sofrendo, não desistindo.

Quem, na luta, apenas vê sofrimento, possui conduta patológica, necessitando de tratamento adequado.

A vida é bênção, e deve ser mantida saudável, alegre, promissora, mesmo quando sob a injunção libertadora de provas e expiações.

Tornando tua vida agradável, serão frutíferos e ensolarados todos os teus dias.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/poesia/mensagem-de-esperanca/675/#ixzz3WOoxk9tG


http://blog.comprebensimoveis.com.br/wp-content/uploads/2013/06/seja-feliz.jpg

5 de abr de 2015

Páscoa...passagem....passando

Não sou católica, mas admiro os grandes iluminados, independente de religião. Considero Jesus um dos grandes iluminados, mas pouco seguido em seu exemplo de vida.
O pessoal fica inventando dogmas sobre outras coisas e deixa de encarar a vida dele como um modelo a se espelhar.
Em primeiro lugar, para mim, se ele ressuscitou ou não, não é relevante. O que importa é o que e como ele VIVEU. Ao que me consta, de uma forma pacífica e pregando o amor...a todos!

http://www.filhosdapaixao.org.br/doutrina/imagens/ques_04_jesus_cordeiros.jpg

E nós ainda não assimilamos isto, nem as palavras de concórdia de outros iluminados também. 
Este é um grande obstáculo ao meu aprendizado de como viver: como não me deixar abater pelas atitudes e notícias ruins que andam por aí. Sou muito lógica e tenho plena consciência de que não sou a Mulher Maravilha. Não vou e nem posso fazer milagre ou mágica para salvar ou modificar o mundo.Também não sou santa, não sou "a boa", mas sou um ser humano que sente empatia e acaba sofrendo vendo o sofrimento alheio e, de uma forma especial dos animais (seres verdadeiramente inocentes). Preciso é aprender a lidar com isto e só fazer a parte que posso, mas até isto, às vezes (ver as 2 postagens anteriores) é algo bem conflituoso. Ainda assim, preciso aprender. Se sou eu uma das primeiras a aconselhar que, cada um, faça o que puder, mas que ninguém pense que é o salvador do mundo. Todos nós fazemos parte, mas ninguém em especial é O ÚNICO a ter que fazer tudo. É trabalho de formiguinha e UMA formiga só não transporta todas as folhas de uma árvore. A vantagem é que, provavelmente, ela não se tortura por não fazer isso hehehe
Bem, vou me trabalhando...
A todos, FELIZ PÁSCOA! Sem, necessariamente, chocolates, mas, principalmente, com muita reflexão sobre esta data simbólica de transformação, de nova vida, de possibilidade de outra chance.

http://bulevoador.com.br/wp-content/uploads/2012/04/jesus-p%C3%A1scoa-coelho.jpg


4 de abr de 2015

Atualizando: Klaus

Em um ataque de loucura (só pode ser), inspirei, orei e fui atrás do Klaus, com uma coleira improvisada em uma mão (uma alça de bolsa) e uns grãos de ração na outra.
Esperei o povo que fica na pracinha da frente sair, pois 22h todo mundo se recolhe (o silêncio, à noite, é respeitado aqui) e fui andar pelo condomínio, como quem quer pegar um ar.
Um probleminha é que, supostamente, não é para alimentar cachorros que abandonam aqui, mas como sou moradora nova, posso me fazer de boba, né?
Klaus já não estava na pracinha, ele seguiu umas meninas. Realmente ele deve ter sido de uma família que tinha crianças ou jovem e mulheres. Um pouco adiante encontrei e tentei fazer com que ele fosse comendo os grãos de ração e me seguindo. Coitado, está bastante assustando, me seguiu de volta à pracinha, mas não passou dali. Quando encontrou o banco onde as moças que ele estava seguindo sentaram, farejou e foi atrás do rastro. 
Eu, de coleira-alça-de-bolsa na mão, olhei umas duas vezes para trás, para ver se ele me seguia, mas nada.
A sensação foi quase a mesma de quando eu ia doar a Benta pequeninha. Uma mistura de alívio com muita frustração e tristeza. 
Subi as escadas já de lágrimas nos olhos. Está nublando e tenho medo do que possam fazer a ele. Dói. Ao mesmo tempo, fico pensando que as coisas se encaminham para o melhor, pois sei lá como ele e as peludas iam reagir.
Será que todo mundo que gosta de animais a este ponto é coração e miolo mole assim?
Que raiva de não ter mais coragem, de não ter mais espaço, de não ter um sítio, de não ter um carro, de sei-lá-mais-o-quê!


Várias coisas misturadas, juntas e ao mesmo tempo (ou quase): um cachorro

Ando meio sem gás para escrever, apesar de pensar muito. Até já sentei e comecei a digitar alguma coisa, mas não consegui concatenar o pensamento e terminar. Então, vai assim, meio enrolado mesmo.
Em vez de começar pelo começo, começo pelo que hoje está me afligindo: um cachorro.
Notei, esta semana, que um cachorro branco andava na frente do condomínio. Olhava as pessoas, parecendo que estava procurando alguém. Minha teoria é de que foi abandonado em alguma mudança. Moro em um conjunto residencial popular e todas as semanas tem alguém partindo ou chegando.
O cachorro em questão, que vou chamar de Klaus, até seguiu um homem com uma menininha. Suponho que era de uma família onde havia criança(s).
Pois o Klaus, meio medroso, andou, andou na frente do condomínio e eu já estava para comprar uma coleira, nem sei bem para quê, quando alguém o deixou entrar. Está vagueando entre os prédios, dei comida, mas estou com o coração na mão, pois os outros cachorros já estão latindo para ele e algumas pessoas já começam a dizer "sai, cachorro!". Não posso ficar com ele, moro em apartamento super pequeno e tenho as 3 gatas, mas, ao mesmo tempo, que porcaria de ser humano eu sou se o deixar aos caprichos do destino?
Fico na dúvida em abrigá-lo, até conseguir um outro lugar, mas também me bate aquela dúvida: no micro apartamento, será que ele não vai fazer algum mal para as peludas?
Se fosse dia de semana ainda conseguiria uma saída melhor, mas no sábado à noite...
Ai, gente, que dilema!!!!!